O homem e o profissional

Nascido e criado no interior do estado de São Paulo, na calorosa cidade de Bauru, João Rosa cresceu em uma típica família de classe média, em um bairro urbano, cercado de árvores e ruas pacatas, onde a criançada podia brincar a vontade.

Com rotinas simples e hábitos saudáveis, João sempre foi alegre, criativo e brincalhão. Bom aluno e bom filho, sempre teve a educação e a religiosidade como pilares fundamentais de sua formação.

Rodeado de carinho pelos pais Geraldo Rosa Neto e Isaura de Moraes Rosa e de seus três irmãos mais velhos, Carlos, Cassia e a mais nova, Lucilene, João descobriu muito cedo o seu dom. Foi aos sete anos de idade que, pela primeira vez, ele ouviu algo que poderia ser considerado inexplicável. O menino ouvia “coisas” e isso chamou a atenção da família que o cercou de cuidados, pensando ser mais uma obra de sua já rica imaginação.

A Visão na Infância

Certo dia, o menino João se surpreendeu ao ver uma adorável senhora, sorrindo para ele, enquanto tomava banho. Ele mostrava a mulher e sua irmãzinha não via. Dias depois, vendo o álbum de família com sua mãe, o menino mostrou a bondosa mulher que havia entrado em sua casa, naquele dia. Foi um grande susto quando D. Isaura descobriu que seu filho tinha visto a avó materna, falecida, naquela época, há sete anos.

Desse tempo em diante, João começou a ter sua sensibilidade tocada, passando a ter sensações de presenças que eram invisíveis para as outras pessoas. Indo a hospitais, o menino encontrava muita gente perambulando sem ser vista. Mas, mesmo assim, entre um susto e outro, a vida seguia o seu curso normal. João continuou sua infância tranquila, em meio às brincadeiras, as aulas, os encontros diários da família para as refeições a mesa e as missas de domingo, nas conhecidas Igrejas Católicas de Bauru, São Bom Jesus, São Benedito e Santa Terezinha

O destino continuou traçando suas linhas na vida daquele menino que cresceu nesse convívio estranho entre dois mundos, até que um dia, ao completar dezoito anos, João teve uma visão que mudou para sempre a sua pacata vida. Passando de ônibus em frente à casa de um amigo, ele o viu bastante machucado, acidentado com sua moto.

Assustado com a imagem que surgiu em sua mente, João tentou a todo custo esquecer a cena até que, dias depois, soube que, de fato, o amigo morrera em um acidente. Foi aí que percebeu ter previsto o futuro e isso o assustou profundamente.

A Busca na Juventude

Os dias que se sucederam começaram a ser preenchidos com muita confusão e nervosismo. Imaginando-se doente e realmente acometido por uma Síndrome do Pânico, João foi atendido por uma psicóloga que seguia a religião espírita.

Esse foi o início de uma longa caminhada espiritual em que João visitou quase todas as religiões, na tentativa de compreender a finalidade de seu dom e os desígnios de Deus para a sua recém-descoberta missão.

Foi a religião espírita, com a doutrina de Alan Kardec, que ofereceu todas as respostas que João buscava. Frequentando o Centro Espírita Irmã Catarina e, depois, o “Amor e Caridade”, em Bauru, o médium começou a florescer na educação de suas faculdades paranormais.

Aos 23 anos, já compreendendo seu dom de ver e ouvir os espíritos e de penetrar nos tempos passados e futuros, João começou a atender pessoas que buscavam ansiosas por respostas do transcendente, na casa de sua mãe.

Ao escolher o tarô como meio de comunicação espiritual, João quis formar um elo concreto com seus consulentes, compreendendo a necessidade que o ser humano tem de enxergar evidências para suas misteriosas descobertas.

Em poucos meses de atendimento, o seu nome já corria de boca em boca e a casa da família já havia se transformado em um ponto de romaria diária. Todos queriam ouvir as palavras daquele sensitivo que acertava, de forma impressionante, em suas previsões.

Nasce o Profissional e o Empresário

Cinco anos se passaram, período em que João formou-se em Ciências Contábeis pela Instituição Toledo de Ensino. Aos vinte e sete anos, ainda estudante da faculdade, ele ingressou no SEBRAE, como estagiário. Dessa época, até os trinta e quatro anos, João trabalhou nessa instituição, construindo uma carreira brilhante como consultor e gestor de negócios. Nesse espaço de tempo, veio a tornar-se professor e palestrante, cargos que o obrigaram a cursar sua segunda faculdade: a de Pedagogia, em Presidente Prudente.

Nos sete anos que trabalhou promovendo o empreendedorismo entre todo tipo de gente, desde simples artesãos até talentosos empresários, João montou uma loja de produtos esotéricos, a Anjo Gabriel, inaugurando ali também o seu local particular de atendimento mediúnico, onde passou a atuar aos finais de semana.

Foi somente no ano de 2.004 que João Rosa cedeu aos impulsos de sua alma e decidiu dedicar-se completamente aos desígnios de seu dom. Sentindo o seu ser dividido ao meio, mas sem coragem suficiente para desistir da brilhante profissão da qual gostava tanto, ele foi ouvir os conselhos de “Dr. Ramalho”, um espírito de luz que havia sido médico na última encarnação e que, naquela época, era incorporado por uma amiga médium, a D. Cida, que atendia em um centro espírita da cidade de Lins.

O espírito o aconselhou seguir o caminho da mediunidade atentando para sua missão de ajudar as crianças necessitadas de auxílio, mas João ainda voltou a Bauru, pensativo, orando por mais certezas.

O Recado do Pai

E as certezas vieram depois, quando João sonhou que seu pai, falecido no ano 2.000, dizia a ele que limpasse a casa. Na cena do sonho, os dois lavavam uma casa e enquanto despejava água, aos baldes, no chão, o pai lhe dizia: – Pode lavar! Lava tudo sem medo, João! Lava a casa e pode ir embora…

Sempre vendo seu pai como um grande protetor, naquela manhã, João acordou extremamente perturbado ao perceber sua forte intercessão. E para completar o “aviso”, naquela mesma semana, João teve em suas mãos, uma carta do Programa de Demissão Voluntária, criado pelo SEBRAE como estratégia de oportunidade.

Foi o que bastava para o início de uma nova história. João despediu-se da instituição e partiu para a vidência em tempo integral.

Graças a sua fama, que já corria desde suas primeiras leituras do Tarô, João já era conhecido da mídia regional, pois desde 1.998 era convidado para programas, entrevistas e matérias de jornais, rádios, revistas e canais de televisão.

No ano de 2.002, João Rosa fez sua primeira aparição em cadeia nacional, sendo convidado para fazer as previsões do novo ano, no programa da Rede Globo, apresentado por Ana Maria Braga.

A Missão Solidária

Conhecido nacionalmente, desde então, o vidente passou a ser procurado por pessoas de todos os estados que desejavam ouvir suas previsões. Mas Bauru estava longe demais dos grandes centros e foi assim, movido pelo apelo de tantos seres humanos, carentes de tranquilidade espiritual, que João decidiu mudar-se para a cidade de São Paulo.

Antes disso, ele já mantinha um local de atendimento quinzenal, onde recebia paulistanos em um flat da capital, mas com o aumento da necessidade, o médium percebeu que não conseguia mais se dividir entre São Paulo e sua cidade natal.

Residindo em São Paulo desde 2.009, ele também passou a atender pessoas no Rio de Janeiro (em Copacabana), Araçatuba, Campinas e Mogi. Novos convites passaram a surgir para permanência do vidente em outros estados, tais como a Bahia, o Espírito Santo e o Rio Grande do Sul.

Inspirado por um de seus guias, o espírito de luz “Hanz”, João ouviu que deveria se especializar em compreender a mente humana, ampliando assim os seus conhecimentos no caminho da cura. Seguindo sua missão de aperfeiçoamento, em ele foi cursar Psicanálise, especialidade na qual se formou no ano de 2.012 e que a partir de então, passa a atuar.

Desde o primeiro dia em que João Rosa abriu as portas da sua mediunidade para atender as pessoas, ele realiza sua obra social.

Primeiro distribuindo cestas básicas para famílias carentes bauruenses, ele passou a auxiliar o trabalho assistencial do Centro Espírita André Luiz, na cidade de Agudos e desde desde 2.009, João também colabora com o orfanato paulistano, localizado na Lapa:

As Novas Obras

O novo projeto de João Rosa que já faz parte de seus antigos sonhos e começa a ser realizado a partir de 2.013 inclui duas grandes obras: a inauguração de uma fundação especializada no auxílio profissional aos necessitados e a criação de um complexo terapêutico para oferecer vários serviços de terapias alternativas às pessoas necessitadas de equilíbrio psíquico, espiritual e corporal.
Conhecido em toda mídia brasileira por sua extrema sensibilidade e assertividade, João Rosa é hoje conhecido como o Vidente das Estrelas. Seu histórico de atendimento reúne importantes nomes da televisão, do cinema, da cultura, da política e da arte nacional.