Tarô

João Rosa escolheu o tarô como ponte de comunicação material entre a sua mediunidade e a sensibilidade da pessoa que o consulta.

As cartas desse baralho místico são usadas há milênios, como fonte de inspiração para meditação sendo que, cada uma delas possui um grupo de símbolos que dizem respeito a diferentes aspectos da vida do homem.

Na sessão de atendimento, João utiliza o tarô místico e, em alguns casos, prefere as cartas de Marselha, pela tradução mais exata de sua inspiração no momento da leitura.

A leitura das cartas, pelo médium, pressupõe uma espécie de jogo onde entram em cena as energias do consulente, bem como a sua sensibilidade, pois é ele quem irá escolher as cartas apresentadas à mesa.

Durante a revelação do tarô, a mediunidade de João Rosa é exaltada e afetada por seus guias, trazendo a tona um universo rico de interpretações que dizem respeito à história de vida da pessoa que busca as respostas.